Você já parou para pensar em quantos amigos você tem? Quantos deles estiveram ao seu lado quando mais precisou? E ainda, quem verdadeiramente eles são?

Durante todo o tempo estamos cercados de pessoas que se aproximam de nós e fazem parte da nossa vida direta ou indiretamente. Coincidência? Destino? Divino? Não sabemos. Só temos a certeza de que eles chegam, se acomodam e permanecem, ou não.

Amizade sempre foi um sentimento difícil de se traduzir. Até mesmo por sermos indivíduos e querermos sempre o que nos convém ao nosso lado. Quanto mais falsa seja a pessoa, mais amigos serão nosso. Estranho? Não; realidade. Você seria amigo de uma pessoa que dissesse que o seu namorado lhe trai, que o seu cabelo é horroroso, que você fede, que tens mal-hálito e que acha o seu comportamento não é adequado para o padrão social? Se você pensou em dizer sim, já está mentindo. É lógico que você prefere o amiguinho que te elogia, te ache perfeito e ficasse ao seu lado sempre dizendo que você é o máximo, é mais bonitinho, soa melhor aos ouvidos, mesmo que ela esteja mentindo e que você seja o inverso disso tudo.

Indiscutivelmente amizade é algo para poucos. Ter em quem confiar nos dias atuais então é uma raridade. Estamos sempre cercados de pessoas que permanecem ao nosso lado por algum interesse, seja financeiro para quem tem, seja por caridade para quem não tem ou coisa parecida.

Uma coisa maravilhosa vi no caso da garota Eloá,
sequestrada pelo namorado, como todos viram na mídia… A amizade dela com a outra garota… Que cena linda de se ver… A menina se entregando novamente ao bandido pela vida da sua amiga, para tentar de alguma forma salvá-la, mesmo correndo o risco de levar uma bala no meio do rosto e pior ainda, perder a sua vida. Isso sim é o verdadeiro sentido da amizade, do amor existente entre duas pessoas que conviem como irmãos… E aí? Você se colocaria no lugar de outra pessoa que julga ser sua amiga, pela vida dela?
Pense nisso!