Mãe é mãe né!
A mãe do bebê que foi sequestrado após uma reintegração de posse na região do Capão Redondo, Zona Sul de São Paulo, afirmou ontem(28) que perdoa a mulher que levou sua filha na quarta-feira (26). “Quem sou eu para não perdoar?”, disse ao G1 a dona de casa Josieli Espírito Santo, 26 anos. “Mas eu quero que a Justiça seja feita.”
A menina foi reconhecida por fotos pelos pais e devolvida a eles ainda na sexta, no 47º Distrito Policial, no Capão Redondo, onde as investigações estão concentradas.
“Para mim, é o começo de uma nova história”, disse, emocionada, Josieli. “Tirou um nó de nossos corações”, completou o pai da criança, o ajudante geral Edno Santos Soares, de 20 anos. “Agora quero cuidar dela, dar muito carinho”, completou.
A menina foi levada por uma mulher que ofereceu ajuda à família da menina, que ficou desabrigada após uma reintegração de posse em um terreno particular. Na noite de quinta-feira (27), o bebê foi devolvido por outra mulher que disse ser mãe da raptora.
Conforme a Polícia Civil, ela teria dito que sua filha, que estaria grávida de nove meses, havia apresentado a criança como sendo sua filha. “Acho que ela queria substituir o filho perdido após um aborto”, comentou Josieli.
A mulher que afirma ser mãe da suspeita de sequestro disse ainda que desconfiou do tamanho da menina, maior do que o de um recém-nascido. A certeza de que a criança não era de sua filha veio após assistir a reportagem na TV sobre o sequestro. Imagens gravadas em uma farmácia – e posteriormente divulgadas pela imprensa – mostram a suspeita segurando a criança roubada no colo. “Agradeço a ela. Se estivesse em seu lugar, devolveria também”, afirmou a dona de casa.
A jovem de 18 anos suspeita de roubar a criança foi indiciada pela Polícia Civil por sequestro e cárcere privado. A pena para esses crimes é de dois a cinco anos de prisão. Ela permanece foragida.