Archive for janeiro, 2009


Poema de sete faces

Tenho uma adminiração tremenda pelo poeta Carlos Drummond de Andrade. Quem me conhece sabe disso! Então deixo aqui para vocês minha poesia favorita, que revela basicamente minha intimidade com o autor.

Quando nasci, um anjo torto

desses que vivem na sombra
disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.

As casas espiam os homens
que correm atrás de mulheres.
A tarde talvez fosse azul,
não houvesse tantos desejos.

O bonde passa cheio de pernas:
pernas brancas pretas amarelas.
Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração.
Porém meus olhos
não perguntam nada.

O homem atrás do bigode
é sério, simples e forte.
Quase não conversa.
Tem poucos, raros amigos
o homem atrás dos óculos e do -bigode,

Meu Deus, por que me abandonaste
se sabias que eu não era Deus
se sabias que eu era fraco.

Mundo mundo vasto mundo,
se eu me chamasse Raimundo
seria uma rima, não seria uma solução.
Mundo mundo vasto mundo,
mais vasto é meu coração.

Eu não devia te dizer
mas essa lua
mas esse conhaque
botam a gente comovido como o diabo.

De Alguma poesia (1930)
Anúncios


Entra em vigor no próximo domingo (1º) o novo salário mínimo, que passa de R$ 415 para R$ 465. O valor corresponde a um reajuste de 12% e terá reflexo no início de março, quando normalmente são pagos os salários de fevereiro.

O reajuste será aplicado por meio de medida provisória. Além de atender aos sindicalistas, o governo pretende estimular o consumo com o aumento de R$ 50. Nesta sexta-feira (30), o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, dá entrevista coletiva para falar do reajuste.

Os reajustes do salário mínimo causam impacto a pelo menos 21 milhões de brasileiros, segundo o Ministério do Trabalho, usando dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Entre os aposentados e pensionistas, mais de seis milhões recebem pelo menos um salário mínimo mensal.

Notícia boa? Talvez… Tomara que o aumento do salário não gere em conjunto o aumento do desemprego, devido a tão temida crise mundial.

Graças a Deus estou de férias. Não aguentava mais a rotina diária de trabalho… trabalho… trabalho…
Todos precisamos de um momento de descanso: mental, corporal e emocional. Particularmente sempre preciso destes momentos separadamente.
Férias não significa descanso completo, no entanto, é um momento muito especial na vida de uma pessoa.
Não digo isso no sentido de reclamação de trabalho, muito pelo contrário. Sou muito grato a Deus por me dar a oportunidade de trabalhar. As coisas estão tão difíceis, que por mais que tenhamos problemas neste ambiente, temos que sempre agradecer por ter estes “problemas”.
Como estou de férias, terei mais tempo para postar meus pensamentos por aqui. Espero que gostem. Obrigado a todos por acessarem o meu blog e sempre que puderem dê uma passadinha por aqui e deixem um comentário no livro de visitas. Abraços fraternais!
O filtro que divide as idéias pensadas daquelas que ganham voz é indispensável no dia-a-dia. Dizendo tudo o que pensa, é difícil manter o emprego, segurar o namoro e até preservar os amigos. Mas o contrário disso também não é nada saudável. “Quem abre mão de falar o que pensa não se deixa conhecer”, afirma a psicóloga Madalena Cabral Rehder, coordenadora do Núcleo de Especialização em Psicodrama e Sociodrama de Santo André e Região.

A timidez e a vontade de agradar são, em geral, as justificativas usadas pelos indivíduos que, quase sempre, ficam quietos o máximo possível. A estratégia, contudo, acaba pondo em risco o convívio social, ameaçado pela dificuldade de entender os desejos dessas pessoas e pela aparente falta de interesse que elas apresentam nas relações (afinal, expressão e participação andam de mãos dadas na maioria das vezes). “Deixar de expressar o que pensa é omitir-se perante a vida”, diz a psicóloga.

Sem dúvida, há quem nasça com um temperamento mais reservado, precisando sentir confiança no ambiente antes de manifestar opiniões. Não há problema nenhum nisso, aliás é até saudável e evita constrangimentos. Isso porque essa avaliação funciona como uma espécie de vacina contra comentários não são adequados para o momento (seja pela superficialidade, seja pelo julgamento precipitado).

Mas não pense que se furtando de falar você consegue desenvolver essa habilidade. Segundo a especialista do Núcleo de Especialização em Psicodrama e Sociodrama, expressar bem os seus pensamentos e opiniões requer aprendizagem, com exercícios freqüentes e de dificuldade variável. Soltar o verbo entre amigos, por exemplo, tende a ser bem mais simples do que relatar a seu chefe sua insatisfação no trabalho.

Só lembrando que a comunicação é uma via de mão dupla: é importante falar e também ouvir, com o máximo de transparência possível, evitando questões mal resolvidas. “Aprender a se comunicar de forma espontânea e com criatividade favorece o crescimento pessoal e profissional”, diz a psicóloga. As pessoas entendem as suas ações e, portanto, conseguem confiar mais em você graças à intimidade que é partilhada pouco a pouco.

Manual contra timidez
Receita pronta, para combater a timidez, não existe. Mesmo quem tem facilidade para se expressar, não raro, acaba sendo vítima de mal-entendidos. Se isso acontecer com você, use o episódio em favor da experiência (e não como fonte de lamentações e desculpa para se fechar ainda mais). “As falhas geram frustrações e ansiedades, que precisam ser vistas e revistas sempre por meio de uma análise com um psicólogo ou de uma auto-análise”, recomenda Madalena Rehder.

Nos momentos explosivos, entretanto, o silêncio raramente encontra substituto melhor, seja você da turma expansiva ou mais retraída. “Nesses casos, o melhor mesmo é aquietar e, posteriormente, falar do assunto em outro momento propício. A cautela na comunicação muitas vezes é bem-vinda. Aprendemos com o outro, assim como o outro aprende conosco”, diz a especialista.

A psicóloga ainda explica que as pessoas tensas, sob pressão do estresse, são as mais comprometidas nos seus discursos. Elas sentem que o mundo é um adversário e, para superar o problema, a dica é procurar um auxilio profissional da área de saúde (médicos, psicólogos), readquirindo sua energia vital da comunicação com criatividade e espontaneidade.

É até normal querer falar e ter as palavras atropeladas pelo choro. As emoções tornam o diálogo mais tenso e, por causa disso, é importante não deixar os sentimentos guardados, acumulando-se em forma de angústia. “Refletir, meditar e analisar sobre as situações vividas que não deram certo ou foram frustrantes são os exercícios mais difíceis, mas também os mais valiosos e saudáveis para as descobertas do amor próprio, para a aceitação pessoal e a para aceitar o outro”, diz a psicóloga. Nestes exercícios, segundo ela, as falhas têm a chance de ser transformadas em fonte de aprendizagem.

Quando esse processo torna-se natural, culpa, raiva e medo desaparecem e você fica imune a males mais sérios, como a depressão. “O isolamento é uma maneira de mostrar que você precisa de cuidado“, afirma a psicóloga. Mas, certamente, pedir ajuda traz resultados bem mais eficientes em comparação a esperar que alguém adivinhe que você está sentindo falta de acolhida.

Fonte: Site Minha Vida


Composição: Ana Carolina

Saiu da cadeia sem um puto
Sol na cara monstruoso
Ele é da alma “trip” dos malucos
Belo, mas nunca vaidoso
Um dia comparado a mil anos
Saiu lendo o evangelho
Vida e morte valem o mesmo tanto
Evolução do novo para o velho
Puxava seus cabelos desgrenhados
Vendo a vida assim fora da cela
Não quis ficar ali parado
Aguardando a sentinela
A vida parecia reticente
Sabia do futuro e do trabalho
Lembrou de sua mãe já falecida
Verdade era seu princípio falho
Pensando com rugas no rosto
Olhava a massa de cimento
A sensação da massa fresca
Transmitia às mãos o seu tormento
Trabalhava, ganhava quase nada
Fazendo frio ou calor
Difícil era quem aceitasse
Um cara que já matou
Se olhou como um assassino
No espelhinho da construção
O que viu foi sua cara de menino
Quando criança com seu irmão
Aonde anda seu irmão?
Em algum buraco pelo chão
Ou frequenta alguma igreja
Chamando a outros de irmãos
Sábios não ensinam mais
Refletiu sua sombra magra
Com o pouco que raciocina
Ele orava, ele orava
Mas o Cristo de madeira não lhe dizia nada
Mas o Cristo de madeira não lhe dizia nada
Mas o Cristo, brincadeira, não lhe dizia nada

É queridos, tenho mais uma vez a felicidade de ser agraciado por grandes conquistas. Recentemente fui convidado a participar de um projeto muito inteligente como colaborador.
Estou falando do MagéVEST, um pré-vestibular comunitário de Magé (CIEP da Ponte Seca). Este informativo é o resultado da parceria da Rádio Comunitária Na Onda FM e o Pré-Vestibular, que objetiva oferecer mais essa opção aos seus alunos.
Futuramente os interessados em comunicação/jornalismo poderão participar acompanhando e colaborando com a produção do informativo, bem como participar das oficinas radiofônicas de capacitação em “Radiojornalismo Comunitário (ou Popular)” que serão posteriormente inseridas na programação da rádio durante o programa do próprio MageVEST.
Participei da 1ª edição com o artigo: Inclusão ou integração, e fiquei muito feliz!
Se você tiver interesse em participar de alguma forma, entre em contato com os organizadores do projeto pelo telefone: 21 2633-0474 ou através desse e-mail (naondafm@gmail.com).



Fim de ano que nada… Recomeço…

As expectativas de inicio de ano se iniciam. Com elas vêm às comemorações com os familiares, muito consumismo e muita caridade. As pessoas deixam seu desdém pelas outras de lado, buscando renovar seu lugarzinho no purgatório promovendo boas ações. Neste período, todos somos bons. Pensamos sempre mais nos outros do que em nós mesmos e por fim desejamos que o outro tenha em dobro o que já temos. Quanta mentira!

Fim de ano é sempre muito familiar. Os parentes tendem a procurarem-se buscando uma trégua na batalha realizada durante o ano todo, outros nem procuram isso. Família realmente é algo abençoado. Cada uma tem sua peculiaridade.

É uma hipocrisia total. Aquela tia que chega lhe indagando quando irás casar. Aquele avô querendo saber quantas o neto já pegou na semana. Uns que não se bicam, outros que se respeitam e muitos que são famílias individuais…

Fazer parte de uma família estruturada deve ser uma chatice, pois o legal de pertencer à uma família, são as crises existenciais dentro dela.

São tios se digladiando pelo amor dos pais, são primos se descobrindo gays, irmãos confabulando sobre comportamentos dos sobrinhos, brigas pelo maior pedaço de pudim na ceia de natal, amigos secretos que parecem mais inimigos e por fim muita… muita individualidade.

O religioso dominicano Henri Lacordaire já dizia: “O que é uma família seJustificarnão o mais admirável dos governos?”, e que governo não?

Administrá-la é algo para poucos, diante de tantas diferenças misturadas. São escabrosas árvores genealógicas que se misturam e formam uma só comunidade. Gente de todos os formatos, cada um com seu pensamento, tentando educar-se da melhor forma e buscando uma paz que nunca conseguirá atingir.

Diante de todos os membros de uma família, uma é especial: a MÃE. Quando Deus desenhou a criação da figura materna ele estava… estava… Ah sei lá, me falta adjetivo!

O filósofo grego Platão dizia que tinha irmãos, pai, mas não tinha mãe e que quem não tem mãe, não tem família. Que frase linda e sincera! É a mais pura verdade!

Pais encontram-se aos montes, no entanto, mãe não é dádiva para qualquer uma.

Entender? Entenda quem lê!